[O meu] Museu do Boom do ROCK PORTUGUÊS
Fotografia de Xutos & Pontapés

Fotografia de Xutos & Pontapés
(Fotografia retirada do blog "Rock em Portugal)

Fotografia de Xutos & Pontapés

Ver single e LPs no museu:

Xutos & Pontapés - 'Sémen' / 'Quero mais', Rotação, SETE 999
LP '1978-1982'
Mini-LP 'Cerco'


Memorabilia:

Entrevista na revista "Música & Som":

Parte I | Parte II
Destaque
Xutos & Pontapés


© António Luís Cardoso
________

Se há banda da qual pouco mais se pode acrescentar em termos de novidade informativa, serão os Xutos & Pontapés. A sua longevidade, conferindo-lhes um estatuto único de aceitação no panorama português, arrastando gerações, leva-os a ser o projecto mais revisitado, seja em biografias do grupo, banda desenhada, livro para crianças, dvds, etc.

Os Xutos – o modo abreviado com que, por regra, são chamados –, nascem em plena ressaca punk 'nacional' e com uma curiosidade: dão o seu primeiro concerto juntamente com os Faíscas na sua última aparição pública, em 13 de Janeiro de 1979. Esta banda embrionária dos Corpo Diplomático (que por sua vez darão origem aos Heróis do Mar) foram a primeira banda punk portuguesa.

Zé Leonel, o líder dos futuros Ex-Votos, era, à data, o vocalista da banda. Mas já não acompanhará os colegas nos registos discográficos que, através do single de estreia "Sémen/Quero mais", acontecerão só a partir de 1981. E foram, durante o 'boom', três: o disco já referido, o single "Toca e foge/Papá deixa lá" e o LP "1978-1982". Vários foram os projectos que tiveram este tipo de percurso discográfico e não vingaram (Iodo, CTT ou NZZN, por exemplo), mas a fibra dos Xutos vingou, mesmo com mudanças várias ao longo dos anos. Francis deixa o grupo, entrarão Cabeleira e Gui (que sairá e regressará).

Na fase do 'boom', à volta da banda instala-se a polémica por causa de temas como temas "Mãe", "Avé Maria" e "Sémen", os quais serão vetados na Rádio Renascença. Mas entretanto passam 30 anos e temos hoje uma irreverência mais contida dos senhores Comendadores (a banda recebeu a Comenda da Ordem do Mérito, atribuída por Jorge Sampaio, então presidente da República, em 2004). O que, no entanto, não os faz calar: ainda recentemente, o tema "Sem Eira Nem Beira" criticava o actual estado do país, direccionando o recado ao actual primeiro-ministro ("Sr. Engenheiro"). Como dirá Zé Pedro ao jornal Público: "É um alerta para o estado da Justiça e para uma classe política em geral que, volta e meia, toma atitudes que deixam os cidadãos desamparados".

E venham mais 30!
Pode aceder à estrutura do museu, através dos links respectivos no menu à esquerda.